Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



então foi assim, parte 2

por Paulo Pinto, em 03.10.13

Fiz 50 perguntas. Quem faz 50, faz mais 50. Simples. Não, fiz 50, depois algumas foram desdobradas, outras foram sugeridas por pessoas que desafiei para o efeito. Algumas foram de caras: se existiu uma Escola de Sagres, que verdade há nas teses do "Colombo português", porque foi D. Sebastião a Alcácer-Quibir... mas a primeira foi mesmo aquela que acabou por dar o nome ao título principal. Na verdade, receio que alguém pense que se trata de um livro sobre a chegada dos portugueses à Austrália (o assunto daria um livro, é verdade). Uma das principais dificuldades foi encontrar perguntas que fossem verdadeiramente interessantes para o público leigo: Afonso de Albuquerque levou a cabo uma "política de casamentos"? o "homem do chapeirão" é o infante D. Henrique? Onde ficava a Cochinchina? enfim. Houve questões que foram eliminadas, umas porque a sua formulação era muito complexa, outras porque não interessavam provavelmente a não-especialistas, outras ainda porque, bom, não cabiam no cesto. A primeira é uma interrogação sobre se foram os portugueses os primeiros a desbravar o Atlântico e a última é, simplesmente, "Que balanço?", e aborda - sucintamente, como todas elas - a forma como hoje, em 2013, olhamos para o nosso passado "imperial".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D